Ainda atormentado pelo horrores causados pelo sanatório Beacon Mental Hospital , Sebastian Castellanos tenta seguir adiante depois de todos os horrores de 3 anos atrás. Abandonado pela esposa e, ainda se culpando pela morte pela morte prematura de sua filha The Evil Within 2 começa nos imergindo na memória horripilante do incêndio que matou a menina.
Em seguida ele acorda bêbado em um bar e uma antiga amiga reaparece em sua vida: Nicole. Nem um pouco feliz em vê-la, e lembrando da traição que aconteceu no 1° jogo ele se irrita com sua ex companheira e deseja se retirar do local. Porém um motivo muito forte para entrar de novo no Stem ronda o enredo do segundo game, já que Nicole diz a Sebastian que sua filha está viva e com a consciência presa na máquina fazendo com isso que ele tope voltar para ao mundo paralelo para tentar salva lá. O que ele não imagina é que os horrores que ele nunca pensou imaginar voltarão bem piores dessa vez.
Ainda com uma jogabilidade que lembra em alguns pontos Resident Evil 4 e The Last of Us o game se mostra bem interessante na jogabilidade, direção de arte e a sensação medonha que nos acompanha na história. O único problema entretanto é não existir ainda um botão de corrida, o que muita das vezes gera certo pânico principalmente quando chefes grotescos e grandes começam a te perseguir.
A trilha sonora também é muito convidativa para um gênero de survival horror.
Cada porta aberta te instiga a explorar todos os 4 cantos e ao mesmo tempo esperar pelo pior.
Shinji Mikami parece ter trazido de volta com a série muito do horror perdido em jogos do gênero survival horror.
O medo é muito presente e isso é excelente. Ao mesmo tempo que sentimos várias dessas sensações (bastantes por sinal) o envolvimento com Sebastian e sua história triste, e o que o leva a estar fazendo tudo para salvar sua filha estranhamente nos encoraja a querer ajudá-lo. Isso também lembra bastante Silent Hill Shatered Memories (PS2/Wii).
Movido pelo amor, e o fato de saber o que aconteceu de verdade pela  organização na vida do protagonista muito antes do primeiro game sem dúvidas é um convite a se experimentar essa maravilha e viver essa jornada horripilante

Comentários no Facebook