Reggie com o Switch em mãos em 13 de Janeiro.

O Nintendo Switch finalmente chegou ao mercado.

E pelo menos para os gamers mais afortunados que fizeram a pré venda meses atrás ou esperaram na fila para uma quantidade (verdade seja dita) de unidades bem limitadas em função da hype que o videogame gerou na comunidade, já podem ficar felizes por terem essa belezinha em mãos pois o novo console de mesa/portátil da Nintendo vem sendo muito elogiado. 

A ideia principal dele é ser um console portátil de vez em quando, com controles analógicos duplos nos lados de um tablet que permitem que os jogadores joguem títulos como Legend of Zelda: Breath of the Wild e outros, e também possam carrega-los em um dock e transmitir para a televisão o gameplay da partida na antiga experiência de sala de estar mais tradicional com amigos.

O Switch está ganhando elogios pela execução de suas premissas básicas, mesmo que alguns recursos ainda estejam faltando no lançamento como Youtube e Netflix.

Mas na balança os prós se sobressaem.

De fato, Breath of the Wild rapidamente se tornou um dos melhores jogos com analises positivas de todos os tempos, quebrando a tradição de softwares ‘sem brilho’ no lançamento em grande estilo.

A maior força da Nintendo como sempre foi a sua sagrada IP que acaba sendo um atrativo a se comprar o videogame se comparadas com os jogos que vinham com Wii e Wii U por exemplo lembram? (Wii Sports e Nintendo Land). 

Essas críticas positivas de Zelda e o sucesso de vendas são boas por que agregam mais e mais jogadores para o Switch, mesmo que o jogo também esteja disponível no Wii U. Vamos esperar e ver o que o futuro reserva para a Nintendo.

Comentários no Facebook